* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

05/11/2007

ser o sol, a lua e as estrelas...

Ser o sol, a lua e as estrelas
o vento e o canto de um rouxinol
Que belo!
Muitas mulheres desejam a perfeição
esquecendo-se apenas de ser...
Entregam o seu o sol
e sem ele, deixam de espelhar a natureza
Ficam relegadas à eterna soturnez.
O ressentimento é inevitável
mas por que se entrega
é voluntária?
Ninguém rouba de uma mulher
a liberdade, a capacidade de sonhar
e de ter esperança
somente se ela permitir
Em sua ânsia de doação,
doa para além de seu corpo e de sua alma
Mulhere resgate o seu sol
brilhe apesar dos pesares
ria, cante e deboche da sorte
seja você com seus prós e contras
abrace seu o ódio e a sua dor
como quem cheira o perfume de uma flor
Abraçe também sua alegria e fome de viver
de vencer, de amar,
se abraçe mulher.

2 comentários:

Luis Eustáquio Soares disse...

renata, o veneno da sedução, do evento-mulher, sob a ótica de Baudrillard, é o de deixar o homem numa posição de sujeito de, ou na ilusão de sujeito, logo de refém da sedução e antes de tudo da condição de sujeito assujeitado, enquanto a mulher se sujeita, é o jeito?
beijos,

renata disse...

É Luis, cada sexo tem suas armas, e certamente as da mulher são bem poderosas, podendo ser até letais...
Uma Ártemis fazendo Acteão ser devorado por seus próprios cães, uma Afrodite "ganhando" a maçã de ouro,oferecendo para tanto a beleza, o amor e sexo como recompensa, uma dalila sem grandes esforços cortando os cabelos de Sansão, Uma sherazade ganhando a vida (literalmente)com sua capacidade de fazer sonhar, de encantar... e por aí vai... mas a que preço?
Florbela escreveu : "Um ente de paixão e sacrifício, de sofrimentos cheio, eis a mulher/ Na luta; sê Vênus sempre marte..."
lembrando de suas aulas, acho que falta à mulher imunidade para a entrega/ abertura para o outro, ela é a pobre/ rica de encantos, continua sendo a alteridade, colonizada pelo sistema patriarcal, como vemos no imaginário popular, ela é a terra fértil , a água doce, a fruta fresca, um convite a exploração e ao refastelamento, boa para ser consumida: bebida, comida, e nem obrigada...
falo da regra, o que foge disso é excessão.
Deve partir da mulher a busca pelo seu lugar de direito...
Conheço uma amiga que sempre disse para o marido " sou sua, sou sua" e não é que ele acreditou? ehehehehehehehe
Obrigada pelo carinho de sua visita
abraços
re