* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

10/06/2008

Carmélia Maria de Souza: cronista do povo


“Não tenho queixas da vida, porque ela ainda me dá razões
para olhar as estrelas e repetir em silêncio o nome de Deus”
(Carmélia Maria de Souza).

Carmélia Maria de Souza: cronista do povo

Renata O. Bomfim – UFES

Vento Sul [1]
, obra póstuma de Carmélia Maria de Souza (1936- 1974), traz como texto de abertura do seu primeiro capítulo, intitulado Esta ilha é uma delícia, um auto- perfil da escritora. Nele, Carmélia define a sua profissão: “cronista do povo” (SOUZA, 2002, p. 31). Tal afirmação pode ser comprovada quando observarmos a trajetória jornalística de Carmélia, que é considerada uma das mais importantes vozes da crônica capixaba. Carmélia Maria de Souza nasceu na Fazenda Rodeio, Município de Rio Novo do Sul, ES. Em seus escritos a cronista definia-se como sendo uma pessoa “trágica, dominadora e hostil” e advertia:
Não vem que não tem. [...] Olha, somos grossíssima, péssima companhia noturna, diurna ou vespertina; devemos a Deus e ao mundo, mau-caráter, desgraçada, temperamental, neurótica, falsa, inconstante, cínica e debochada. Favor não ficar sentado em nossa mesa quando não for convidado, não. Nós somos o fim da picada, se você quer saber
[1]
[1] Vento Sul é uma obra póstuma, única da escritora e foi publicado dois anos após a morte de Carmélia em 1974 pela Fundação Cultural do Espírito Santo, com notas e introdução escritas pelo jornalista e amigo pessoal Amylton de Almeida. Em 1994 o livro foi reeditado, resultado de uma parceria entre a Rede gazeta de Comunicações e a Universidade Federal do Espírito Santo, integrou o segundo volume do projeto Nossolivro, sendo apresentado sob a forma de encarte no jornal A Gazeta, nela, Amylton de Almeida reduziu substancialmente a introdução que havia feito à primeira edição, e alguns textos foram suprimidos. A terceira edição, que servirá como aporte para a elaboração deste artigo, apresenta-se como “um meio termo” entre as edições anteriores, nela permanece, na íntegra, a introdução feita por Amylton, bem como algumas supressões de textos. Esta edição traz como novidade “toda a matéria em homenagem à Carmélia publicada na revista Você, n. 24, de junho de 1994 (SOUZA, 2002,p.5).
[1] Texto retirado do folder da exposição intitulada “Carmélia, Félia, Magnólia”, de fotos escritos de Carmélia Maria de Souza. Divisão de Memória do DEC.

Embora Carmélia tenha escolhido a “marginalidade” quanto lugar de observação e vivência para seus escritos, era estimada por seus amigos e chamada carinhosamente por eles de Félia, Magnólia, entre outros nomes bastante referenciados nos seus textos.
E descrita como uma pessoa afetuosa. Reinaldo Santos Neves, escreve acerca da cronista:
[Carmélia] não fixava fronteiras para a troca de calor humano. Se dava bem com a esposa do magnata e com o pescador fodido que afogava as mágoas na pinga, não tinha preconceitos: não fazia distinção de sexo, credo, cor, nem pedigree social ou econômico - nem muito menos de idade (SOUZA, 2002, p. 183).
Essa abertura para o outro, marca registrada da personalidade de Carmélia, possivelmente tenha influenciado no sucesso que alcançou no campo da crônica. Massaud Moisés destaca que neste gênero literário, “o cronista pretende-se não o repórter, mas o poeta ou o ficcionista do cotidiano” (1998, p. 104). Este gênero detém seu foco narrativo sobre a primeira pessoa, o “eu”, que expressa à visão de mundo do cronista.
A década de 40 foi marcada pela efervescência cultural e literária no Espírito Santo. A escrita feminina capixaba se solidificou, culminando na criação, em 1949, da Academia Feminina Espírito-Santense de Letras. Após a excitação da década de 40, as mulheres se acomodaram aos papéis que os homens lhe reservaram e a vidinha provinciana, seguia embalada “ao som das orquestras dançantes” do Clube de Vitória, Praia Tênis Clube e do Saldanha da Gama (RIBEIRO, 1996, p. 46).
Carmélia faz parte da geração de 50, “anos dourados, início dos anos rebeldes” (RIBEIRO,1996, p. 46). A cronista aflorou no cenário literário capixaba em 1958, foi considerada por Agostinho Lázaro, uma das melhores cronistas do Espírito Santo, segundo Ribeiro, foi à responsável por popularizar a crônica escrita por mulheres capixabas, “ao retratar com fidelidade, o espírito de contestação [que seria a marca] dos anos 60 e da desilusão dos anos 70” (1996, p. 48).
Sua escrita ganhou visibilidade por meio do semanário Sete Dias, sua incursão por este gênero, “nacionalmente dominado por nomes como Antônio Maria [...] e Rubem Braga”, segundo Amylton de Almeida, aconteceu num tempo quando “a juventude capixaba imitava a do resto do país, em conduta e espírito” (SOUZA, 2002, p. 22).
Carmélia foi Funcionária Pública Federal, trabalhou no Museu de Arte Histórica de Vitória, situado no Solar Monjardim, na Biblioteca da FAVI, e durante dezessete anos de vida jornalística, colaborou com jornais e revistas estudantis, trabalhando nos principais jornais da capital: Sete Dias, O Diário, Vida Capixaba, A Tribuna, A Gazeta, O Debate e Jornal da Cidade (acesso em 23 de fev. 2008). Parte do acervo que continha seus escritos foi destruído em um incêndio na década de oitenta, eram crônicas publicadas em A Tribuna e O Diário.
A escrita carmeliana tem como marca principal a irreverência, postura que refletia a sua vida. Pellerano (SOUZA, 2002, p, 179) nos diz que “[Carmélia] passou a vida derramando poesia pelas mesas dos bares, nos papéis de blocos pedidos aos garçons”.
Por meio das crônicas de Carmélia é possível vislumbramos o quotidiano vitoriense da época, ela explorava as experiências que vivenciava na “ilha” de uma forma livre e muitas vezes irônica, como se pode observar na crônica intitulada O deletério
[1] do povo capixaba, que diz:
[1]
Deletério: nocivo à saúde, nocivo, desmoralizador.
“Apesar de eu não topar muito esta palavra - deletério – confesso que não encontrei outra mais expressiva para dizer o que penso do honrado povo capixaba que empesta[1] a minha terra. É, decididamente, um povo deletério, este. O povo mais deletério do mundo, talvez. E, embora a gente até goste mesmo deste povo (porque a gente nem sempre tem vergonha na cara...), Sou obrigada a espinafrar com ele de vez em quando, porque assim também não há quem agüente: a barra anda pesando demais. [...] é bastante alguém pensar em fazer alguma coisa que preste nessa Ilha (ô Ilha!), para que os chamados “pés-frio” comecem logo a engrossar. Ao invés de darem o necessário incentivo [...]. E vão em frente os deletérios do inferno, apostando a própria mãe como ninguém será capaz de fazer coisa nenhuma. É uma desgraça, enfim” (SOUZA, 2002, p. 75).
[1] Empesta: infecta com peste, infecciona, contamina.
A ironia é uma estratégia de linguagem utilizada por Carmélia para desvelar valores sociais e aspectos da cultura capixaba. Brait afirma que esta modalidade de humor, revela um “ponto de vista”, “um olhar sobre o mundo”, e seu entendimento “requer tanto do produtor, quanto do destinatário uma competência discursiva especial” (BRAIT, 1996, p. 13).
Ainda na crônica O deletério do povo capixaba, encontramos outra temática recorrente nos escritos carmelianos, o amor pela cidade de vitória. A cronista utiliza mais uma vez o procedimento irônico para denunciar a valorização que muitos capixabas faziam do Rio de Janeiro em detrimento de Vitória, ela diz que “a Ilha, também é uma cidade maravilhosa, à sua maneira”, e que quem não presta é o indivíduo que não lhe dá o devido valor. A crônica segue dizendo:

O diabo é que vocês não aprendem a enxergar a coisa como ela é. E estão sempre prontos a me chamar de doida todas as vezes em que eu escrevo que a rua Duque de Caxias é linda, bárbara, importantíssima, [...] é uma rua com alma é coração, capaz de comover a gente por causa de seu lirismo, de sua beleza antiga, de sua poesia. Vocês não alcançam a importância de uma cidadezinha como Santa Tereza [...] o turista é capaz de sair daqui completamente gamado, [...] é capaz até de sentir inveja da gente. Enquanto vocês seus bobocas, não sabem valorizar as coisas que têm. Só querem mesmo é bagunçar o coreto, ficam aí reclamando e se esquecem de que nosso estado- especialmente Vitória[1]- possui coisas lindíssimas. Se esquecem de que a Ilha, também é uma cidade maravilhosa, à sua maneira.[...] A ilha está pedindo para que você a deixe crescer. [...] Não seja tão espírito- de –porco: [...] mesmo que você não acredite, não compreenda, seja uma besta quadrada, tenha um pouco de humildade e reconheça que o que não presta mesmo aqui, é você meu chapa (SOUZA, 2002, p. 76- 79. Grifo nosso).
[1] Carmélia criou para a cidade de Vitória o slogan "Esta ilha é uma delícia", que foi utilizado, durante muitos anos como título de sua coluna.
A crônica intitulada Os dez mais idiotas, publicada no Jornal A Tribuna de 04 de fevereiro de 1968, revela o olhar crítico da escritora, que satiriza a tendência dos suplementos de domingo, de louvarem os gostos da “pequena burguesia”, a cronista diz:
O tempo presente não é apenas de margaridas, nem tão pouco de LSD, muito menos é tempo somente de alegria, alegria. Ou de reações psicodélicas, provocando convulsões da mesma cor. O tempo, este tempo que passa na janela e só Carolina não vê, é um tempo também de lista de dez mais. [...] No presente momento, ando com vontade de fazer a lista dos dez mais idiotas. E se ainda não fiz é porque estou com medo de que a coisa acabe em pancadaria- o que está na mais completa escala das possibilidades, ainda que eu botasse, só para despistar, o meu nome no topo da lista. O melhor mesmo é tirar o quadrúpede de baixo da atmosfera. [...] Lá vai pois. Coisas que eu detesto; caviar, champanha, festa estilo soçaite, soçaite, Jorge amado, programa “um instante maestro”, praia, telenovela, reunião com muita mulher, mulher (em geral), livro best- saller, dona bibi ferreira, muqueca de peixe, o samba “apelo”, homem bonito (só abro exceção para o alain delon- ele é demais) e almoço em família. Coisas que eu adoro: inverno, vento sul, café sem açúcar, frescura, desgraça alheia, jiló, música clássica, noite, irmãos metralha ltda., trocadilho infame, homem feio, simplicidade, pinga, gripe e sogra (SOUZA, 2002, p. 49- 50. Grifo nosso).
Amylton de Almeida, na introdução de Vento Sul, fala sobre a geração “fim de álcool”, formada pela “legião dos bem intencionados, [...] limpos de dinheiro como de coração”. Para este crítico, Carmélia apresentava um “agudo senso de humor, ironia e sarcasmo e um estilo de vida, seguido pela ‘corja’, que escandalizava a Tradicional Família Capixaba” (SOUZA, 2002, p. 24).
Outro personagem de destaque na obra de Carmélia é Dindi. Imagem feminina homônima da personagem da música criada por Tom Jobim, e interpretada por Silvinha Teles. Este nome foi adotado pela cronista como um símbolo romântico. À Dindi a escritora recorre nos momentos de angústia e solidão, como vemos na Crônica com endereço errado, de fevereiro de 1968 que diz:

Além do mais Dindi, este é um momento dos mais importantes e de coisas graves. [...] Eu nunca soube falar as coisas que deveria falar, você me conhece bem, você sabe como sou imbecil, tímida, completamente desajeitada [...]. Sou, enfim, sou uma pessoa distraída e tresloucada, um caso perdido, uma pobre diaba. Viver, para a pessoa que sou hoje em dia, é esta aflição imutável, é este desespero de perder tudo, de repente descobrir que tudo voltou aos devidos lugares. Este viver de abrir os braços e dar a impressão muito falsa de que estou sempre preparada para o que der e vier. No fundo, você sabe, sou medrosa e covarde como o diabo. E, embora não pareça, tenho a alma atormentada e não me conformo com nada. [...] Todavia não irei embora. Vou agüentar firme aqui mesmo, enquanto puder e você me quiser perto, assim como estamos agora (SOUZA, 2002, p. 134).
A personagem Dindi é afirmada como depositária de grande confiança por parte da escritora, como podemos comprovar na crônica intitulada Testamento, nesse texto Carmélia confia a Dindí o seu espólio quando for “embora para alguma estrela”. A narradora deixa também recomendações claras para a recolha de cartas e versos, bem como de “todos os sonhos que encontrar perdidos”. (SOUZA, 2002, p. 173)
Dindi é também a herdeira dos livros e das crônicas “publicadas ou inéditas”, e das personagens de um livro que, segundo ela, jamais terminaria de escrever, a cronista pede que Dindí termine o livro, e que este deve ser intitulado Vento Sul (SOUZA, 2002, p. 174).
Carmélia tinha um amor declarado pelo seu ofício, escrever. Ribeiro (SOUZA, 2002) nos dá ciência de que a cronista era uma “apaixonada pela palavra”, que “escrevia com paixão, o coração, mais do que com a razão [...]”. Na crônica Algumas considerações outonais chatas, Carmélia discorre sobre esse seu gosto pela escrita que nem alguns “detalhes pequenos e sem importância”, que a levavam a “ser obrigada a defender o pão de cada dia”, e noutros momentos a se perguntar, “onde foi que eu amarrei a minha égua”, são capazes de enfraquecer. A cronista dizia que escrever ainda era a única coisa que conseguia “fazer muito bem nesse mundo de Deus” (SOUZA, 2002, p. 51).
Outro tema recorrente na escrita de Carmélia é o amor, que quase sempre é margeado pela poesia. Este tema impregna os textos carmelianos, como podemos observar na crônica intitulada Declaração de amor , de outubro de 1972:

E depois de tudo isto, veio a chuva – Você se lembra? E então eu te pedi que não tivesse medo. Você riu. Riu de medo. Eu fiquei com pena de te querer tão sem medo e tanto que te cobri com minhas mãos, com meus braços, com minhas palavras com meu silêncio, enfim.
E depois , a gente passou a respirar juntos.
A dizer, calados, as mesmas palavras.
A ouvir as mesmas palavras.
Te lembras?
[...]
- Diz que me ama – eu te pedi.
- Não tenho certeza – você falou.
- Diz que me ama.
- ...
Olha, não tenho medo, não tenho nada. Eu tenho tudo e tudo isso é nosso, porque é meu e porque o que eu sou é você, e o que você é sou eu.
Então, tudo o que a gente tem, consequentemente, é de um e é do outro. É de nós. Por exemplo: esse amor. Esse medo. Esse desespero. Essa aflição. Esse mar. Essa Maria Betânia cantando. Essa casa cheia de amor, esse vento que vem do mar e do mundo. Essa desordem gramatical. Essa saudade.
[...] Eu não te vejo agora, meu amor. [...] Então – imagine- eu te vejo e te sinto do meu coração. Do meu sorriso. Do meu pranto. Do barulho do mar indo e vindo. Eu te vejo e te sinto em tudo o que está em volta e dentro de mim. De mim- eu que não sou gaveta, nem barco parado, sem rumo. Eu, que sou apenas Carmélia Maria de Souza. E te amo. Te amo baixinho à beça (SOUZA, 2002, p. 168, grifo nosso).

A “fossa” também é tema que atravessa todo o corpus da obra de Carmélia. No texto Fossa & amizade ela diz: “já se tornou tradicional o me ouvirem dizer de vez em quando que estou numa fossa desgraçada. Isso dá para entender quando não me envergonho de confessar que a vida me tem maltratado, que vou aprendendo a sofrer quando é preciso” (SOUZA, 2002, p. 34). A dor e o sofrimento são importante alavanca criativa e levam a escritora a desenvolver a Teoria geral da fossa e A Fossa (II.) Logo de saída Carmélia declara:
A minha fossa é linda. Lírica. Poética. Profunda. Imutável. Colorida.Muito mais festiva que revolucionária. Uma fossa assim, destas de fazer inveja ao próprio Baudelaire, que em matéria de fossa ameaçava jamais encontrar rival. Ou ao finado Kafka, que entre um e outra crise carpitiva costumava suspirar dizendo: Comigo ninguém pode! Eis, pois, que resolvo entender e falar de fossa, começando por classificar, de acordo com a atualidade, os mais diversos tipos (SOUZA, 2002, p. 38).
Dando seqüência a sua “teoria”, ela classifica vários tipos de fossa: a “fossa pororoca”, a “fossa- de- não- ter- fossa”, a “fossa matrimonial”, seguindo-se algumas recomendações do tipo “como evitar” a fossa e como “dar cabo da bruta”. E para não se contradizer, adverte: “não pretendo mais ser confidente de fossinhas mixurucas: só aceito drama de alto gabarito, [...] e não tente, principalmente, curar as minhas [fossas], são heranças [...] (SOUZA, 2002, p. 39- 40). Os escritos sobre a fossa continuam, em Fossa II, novos tipos emergem: a “fossa financeira”, a “fossa balneária”, a “fossa íntima”, a “fossa jornalística”, mas, para além das teorias da fossa, em novembro de 1967, a cronista escreve a crônica É tempo de otimismo acho eu, que diz:
[...] Descobri que sou bárbara, dona de um estilo verdadeiramente universal, preciso urgentemente me mandar para Guanabara, pois Vitória não está a altura de receber minha genialidade, nem por aqui haveria horizontes dignos e devidamente alargados onde eu pudesse caber. A mim me cabe, portanto, dar uma banana para todos vocês e me mandar de mala e cuia para o Rio de Janeiro. Lá eu não terei a menor dificuldade em desbancar o Rubem Braga, nem em botar no maior chinelo o Carlinhos de Oliveira. [...] A quem confiar minhas ambições, e onde abrigar minha poesia provinciana, a saudade desgraçada que eu teria acumulada em mim a uma altura dessas? [...] Não, meu chapa. Nessa jogada eu não me meto (SOUZA, 2002, p. 55).
Carmélia personificou através de seus escritos o espírito das décadas de 50 e 60. A “musa da crônica bossa nova” descrita por Coutinho é, para Reinaldo Santos Neves, difícil, talvez impossível de definir, mas, foi, certamente, “alguém que abriu caminhos – principalmente para as mulheres de Vitória”, e isso, “sem lágrimas nem dor. A não ser para ela mesma” (SOUZA, 2002, p. 183).
Carmélia declarou ter consciência de ser uma pessoa “perdidamente feliz”. Ela faleceu no dia 13 de fevereiro de 1974, de embolia pulmonar. Deixou um texto endereçado aos seus amigos, que diz:

[...] Eu parti feliz: me esperavam os braços do meu pai e a ternura de minha mãe que tão pouco tive... Diga aos que me amaram que eles me fizeram feliz. O seu amor justificou o meu amor e a ternura dos meus gestos, quando eu esperava por eles com as minhas mãos estendidas. É assim que eu os espero, nas esquinas dos astros, em alguma nuvenzinha azul...[1]
[1] 20 anos sem Carmélia, a cronista da Ilha. Kátia Bóbbio. UFES/ DEC/SEDU.
Certamente Carmélia não imaginava o legado que deixava para as próximas gerações. Sua crônica não se tornou “crônica do dia seguinte”, ela sobreviveu à efemeridade de seu suporte, o jornal.
Carmélia recebeu várias homenagens foi eleita Patrona da Academia Feminina Espírito- Santense de Letras e em 16 de setembro de 1986. O Governo do Estado do Espírito Santo inaugurou o Centro Cultural Carmélia Maria de Souza, com o objetivo de se tornar um pólo de incentivo à atividade cultural. O bairro República, possui uma rua com o seu nome.
Na crônica intitulada Minha Félia ela lança um olhar sobre si e seu tempo:

Quando nada, vou cumprindo a tarefa de aperfeiçoar a ferramenta para os outros, que certamente virão. Quando nada, é possível que eu me saiba um pedaço desta ponte que deverá conduzir a humanidade até um mundo melhor. Tenho pena de não haver esperado para nascer no ano de 2050. Porque até lá, a imortalidade seja possível e a vida seja feita de colaboração e não de competição. Todavia isso não passa de uma conjetura, apenas desejável. No momento, a disputa por um pedaço de pão atirado no lixo, a dura luta contra a escravidão [...] é o que constitui a presente e amarga realidade que me foi dada para contemplar. [...] Mas ela passou a ser minha preocupação maior, a minha verdade, a minha poesia. Ela é hoje a minha consciência – a minha clara e nítida consciência, minha promessa única de realização nessa vida (SOUZA, 2002, p. 95).

Referências:
-BRAIT, Beth. Ironia em perspectiva polifônica. Campinas: Unicamp, 1996, p.13- 111.
-NEVES. Reinaldo Santos. Mapa da literatura brasileira feita no Espírito Santo. Disponível em: <
http://www.estacaocapixaba.com.br/escritor_es/visao/mapa/mapa_5.html>. Acesso em 23 de fev. de 2008.
-POETAS Capixabas. Disponível em <
http://www.poetas.capixabas.nom.br/Poetas/detail.asp?poeta=Carmélia%20M.%20de%20Souza> Acesso em 23 de fev. de 2008.
-MOISÉS, Massaud. A Crônica: a criação literária Prosa II. Ed. 16. São Paulo: Cultrix, 1998. Cap. III, p. 101- 120.
-SOUZA, Carmélia Maria de. Vento Sul. Vitória: Conselho Editorial da Gráfica Espírito Santo, 2002.


Texto apresentado no III Seminário sobre o Autor Capixaba:
Bravos Companheiros e Fantasmas.
dia 11 de junho (quarta-feira) / 16:00h / Sala Guimarães Rosa / Mesa 4
PS: apesar da polemica, mantivemos a data de nascimento da cronista como sendo 1936, como consta em seu livro póstumo Vento Sul.



7 comentários:

Crisfonseca disse...

Olá Renata,
vim fazer uma visita ao letra e fel e me deparei com essa relíquia, adoro teu blog é muito interessante , aprendo muito aqui. Obrigada por costruir grandezas.
Beijos,
Cris

renata disse...

Olá Cris, Obrigada pela visita e pelas palavras gentís. Venha nos visitar outras vezes, será um parazer!
Abraços
renata

mattkane disse...

Acabei de desbobrir a Carmélia no blog do Nena e já estou entusiasmado. Que artista genial! Parabéns pelo registro!

blogdaisabela disse...

Muito bacana o registro mesmo. Como queria tê-la conhecido... Mas a vida a levou embora muito jovem.
Genial.

Rômulo Personal Trainer disse...

Olá Renata. Em primeiro lugar quero te dar os parabéns pela belíssima idéia de divulgar nossos artistas.
Meu nome é Rômulo e a Carmélia Maria de Souza era irmã do meu avô. Tive muita dificuldade para conseguir o livro Vento Sul, mas consegui. Sou professor da rede pública e estou, junto com uma amiga professora, fazendo alguns trabalhos com diversos textos e livros. Gostaria de saber se vc possui mais algum texto ou sabe de mais algum livro da tia Camélia, visto que resta apenas um irmão dela vivo e este mora em São Paulo e não possui nenhum texto ou livro que possa estar me ajudando.
Tanto os alunos quanto a professora adoraram alguns textos do livro Vento Sul e me pediram, já que faço parte da família (rsrs...), se possuo mais algum.
Caso tenha algo que possa me ajudar peço, encarecidamente, que envie para mim: romulosribeiro@hotmail.com
Sem mais para o momento, desde já agradeço a atenção concedida e a parabenizo mais uma vez por divulgar os trabalhos dos nossos artistas capixabas.
Rômulo de Souza Ribeiro

Lia disse...

Renata,
Gostaria de ler o pema do Dia das Mães de Carmélia, seria possível? Se puder, mande resposta pelo email limare3@hotmail.com

manuela disse...

Que maravilha de texto e assunto. Obrigada