* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

12/02/2009

Dieta para salvar a Terra

REPORTAGEM DO JORNAL A TRIBUNA DO DIA 11/02/2009

Especialistas holandeses criaram a Dieta do Clima, quereduz consumo de carne e ajuda a diminuir o aquecimento global

AMSTERDÃ – Das centenas de dietas criadas nos últimos anos esta, certamente, é a mais politicamente correta de todas: siga seus preceitos e ajude a salvar o planeta do aquecimento global. De quebra, ganhe uma vida mais saudável e, quem sabe, alguns quilos a menos. É a dieta com baixos teores de carne vermelha, no máximo 400 gramas por semana. Se for adotada no mundo todo, calculam especialistas, a redução de emissões de gases-estufa seria da ordem de 10%, uma economia de nada menos que US$ 20 trilhões (R$ 45 trilhões) nos custos do combate às mudanças climáticas – cerca da metade do valor total necessário para tal tarefa em 2050. A diminuição da criação de animais seria uma forma natural de diminuir as emissões e reduzir
os investimentos em outras formas mais caras de combate aos poluentes.
HÁBITO
O estudo realizado por especialistas da Agência de Impacto Ambiental da Holanda concluiu que
os hábitos alimentares modernos – calcados numa dieta muito rica em carne vermelha – têm um impacto significativo no aquecimento do planeta. E a redução do consumo de carne bovina, de porco, de frango e ovos criaria um novo sorvedouro de dióxido de carbono. Pode não parecer óbvio de imediato, mas a criação extensiva de animais tem um grande impacto no clima.

Em primeiro lugar, porque quanto mais a dietaglobal for baseada no consumo de carne, maior terá que ser a criação e, portanto, a área que deixaria de ser ocupada por vegetação – que, naturalmente, absorve carbono.

Além disso, para alimentar os animais, há uma ampliação no cultivo de grãos, o que geralmente demanda o uso de energia geradorade emissões poluentes. Para se ter uma ideia, a produção de um único quilo de carne bovina demanda o gasto de 15 quilos de grãos e 30 quilos de forragem.

Por último, mas não menos importante, há a questão da flatulência (gás expelido durante e após o processo de digestão). O principal gás expelido pelos extensos rebanhos mundiais é o metano – um dos principais responsáveis pelo efeito estufa atualmente. O fato costuma ser levado como motivo de brincadeira por muita gente, mas os especialistas alertam que o problema é sério.

Levantamento mostra os impactos

AMSTERDÃ –O grupo responsável pelo novo estudo, coordenado por Elke Stehfest, calculou o
impacto do consumo de carne no custo da estabilização dos níveis de CO2 na atmosfera em 450 partes por milhão – um padrão que, segundo muitos cientistas, é necessário para prevenir graves alterações climáticas, como secas frequentes e elevação do nível dos mares. Se os hábitos alimentares não se alterarem, em 2050, para alcançar esse nível de dióxido de carbono, as emissões teriam que ser reduzidas em dois terços, o que custaria aproximadamente US$ 40
trilhões (R$ 90 trilhões).

VEGETAÇÃO

Mas, se a população mundial passar a seguir uma dieta pobre em carne vermelha – definida como 70 gramas de carne bovina e 325 gramas de frango e ovos por semana –, cerca de 15 milhões de quilômetros quadrados de área ocupada pela criação de animais seria liberada para vegetação. As emissões de gases do efeito estufa seriam reduzidas em 10% com a queda do número de animais. Juntos, esses impactos reduziriam em 50% os custos do combate às mudanças climáticas em 2050. Os cientistas sugerem que, para ajudar os consumidores, o custo
ambiental da carne – ou o volume de emissões de CO2 e metano por porção – seja incluído nos rótulos dos produtos em supermercados e açougues.


Quero registrar que, deixar de comer carne, só trouxe ganhos a minha vida. Sempre amei os animais e considero uma contradição em termos, amá-los e matá-los com requintes de crueldade, e depois, ainda, comê-los.
A carne não faz falta do ponto de vista nutricional, isto é um mito, há outros alimentos ricos em proteinas. De sobra, fica aquele sentimento gostoso de saber, mesmo de forma bem humilde, estar contribui para a preservação do planeta e promovendo a vida ao invés da morte. é isso aí amigos... Salva de palmas para o vegetarianismo!!!!

Abraçoamigos
renata
Agradeço a Denise do grupo RECEA por compartilhar estas importantes informações.

Nenhum comentário: