* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

23/02/2009

Educação ambiental no ES

Amigos, precisamos nos unir para conscientizar as pessoas da importância de se manter as árvores dos bairros. Pelo menos no meu bairro essa semana foram cortadas três, inclusive uma mangueira gigantesca que produz, ou melhor, produzia, o ano todo. Muita gente não sabe que as árvores são vivas, elas sentem dor e estudos cientificos sérios já provaram que o reino vegetal possui estreita ligação com o humano...

Sem as árvores nossa vida ficará insuportával por causa do calor, elas também ajudam a reter a agua da chuva evitando alagamentos pela chuva. Se elas levantam as calçadas, pensemos que, os benefíos que trazem, são infinitamente maiores...

abraços
Renata

2 comentários:

Elcio Tuiribepi disse...

Palavras verdes da CBJE...legal...tudo a ver com o seu post. Que as pessoas possam se conscientizar da importância que é uma árvore preservada...Boa pedida, não tenho participado das antologias lá, mas confesso que é muito bom ver poemas seus num livro...valeuuu...um abraço na alma

Cadinho RoCo disse...

Onde moro, aqui em Belo Horizonte, no terreno vizinho foi construído prédio enorme. Na época do início da construção, não sei se por denúncia de alguém ou outra ação, a obra foi interditada por causa de duas mangueiras. Parece que no projeto a intenção era de corta-las. Pois veio a prefeitura, fez parar tudo, alterar o projeto do tal prédio, hoje já pronto e habitado. E as duas mangueiras permanecem vivas, frondosas e sem qualquer ressentimento, porque nem por isso deixam de dar frutos deliciosos anualmente.
A educação nos ensina a respeitar o próximo que nem sempre está representado por um ser humano.
Cadinho RoCo