* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

23/05/2009

Ecopoesia


Mágoa de um educador
VVVVVSargento Serafim (Policial Militar Ambiental do ES)

Antigamente nem em sonhos existia
Tanta sujeira nos rios; nem poluição nas estradas
A gente andava, quatro ou cinco companheiros
Por este chão brasileiro, ouvindo o chão das boiadas
Mas hoje em dia, tudo é muito diferente
Com o progresso minha gente, nem se quer faz uma idéia
Que entre outros, fui também um roceiro
Sou filho de carpinteiro, um herói da epopéia
Tenho saudades de rever a minha terra
A passarada fazendo guerra nas matas da região
Por tudo isso, eu lamento e confesso
Que a marcha do progresso, é a minha grande dor
Cada jamanta que eu vejo nas estradas
Transportando madeira serrada, Já me aperta o coração
E quando olho uma mata derrubada
De tristeza dou risada, pra não chorar de paixão
Hoje viajo, vejo máquinas campo afora
Depressa vou embora, na mais triste solidão
Vejo homens com chapéus de abas largas
Preparando suas safras, arando nosso chão
As velhas casas com assoalho de madeira
Hoje não tem mais fogueiras nas noites de São João
Ainda restam poucos matos verdadeiros
O resto virou dinheiro, que mudou nossa situação
Não sou poeta, sou apenas um caipira
E o tema que me inspira, é a tamanha devastação
Quase chorando, meditando nesta mágoa
Rabisquei estas palavras, e saiu esta canção
Canção que fala, das saudades da passarada
Que já vi pelas estradas, com meu pai e meus irmãos
Saudade louca, de ouvir o som manhoso
De um sabiá preguiçoso, cantando nas matas do meu sertão
Por isso hoje, a vocês todos eu peço
Vamos acompanhar o progresso, investindo em educação
Não adianta , eu chegar em uma derrubada
Onde a mata foi tombada, e fazer uma autuação
A mata já foi cortada, sua lenha foi queimada, só restam cinzas no chão
O que precisa é fazer um trabalho novo
Não só de multa meu povo, mas sim, de conscientização.
Obrigada ao Tenente Serafim por ter permitido que eu compartilhasse este texto com os amigos que visitam nosso blog.

3 comentários:

renata disse...

Olá amigos, apresento para vocês o ecopoema escrito pelo Sargento Serafim,um verdadeiro manifesto, um canto de alerta para a situação ambiental resulatante do progresso desenfreado e da ganância do ser humano que só quer lucrar às custas da natureza. Nos dá esperança perceber que temos policiais ambientais verdadeiramente sensiveis e implicados na causa ambiental!

Esperança e AÇÃO são as nossas palavras- chaves!
Abraços a todos
Renata

Luis Eustáquio Soares disse...

poema de pés, renata, de pés no chão, do partido do ecossocialismo do século xxi, apto para novos atos nascentes.
beijos
luis
bloguei outro poema

Lucas Bermudes de Castro disse...

Olá Letra e Fel! Para a Semana do Meio Ambiente, o Serafim nos ensina a importância da conscientização ambiental. O Sargento já faz sua parte tocado-nos com sua sensibilidade. Façamos a nossa parte.
Abraços Renata de todos do Instituto Ecológico LunarMaria, obrigado pela visita e obrigado pelo seu Letra e Fel.