* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

18/11/2009

QUEM SÃO O VAMPIRO E A DEBORAH DE MIGUEL MARVILLA

Resumo do trabalho apresentado no XI Congresso de Estudos literários da UFES, que este ano homenageou o poeta Miguél Marvilla. Autoria: Eduardo Selga
Certa vez um dos maiores nomes da literatura praticada no Espírito Santo, Miguel Marvilla, essencialmente poeta, pretendeu a prosa. E nos legou Os mortos estão no living. Trataremos aqui dos personagens de O vampiro, Deborah, um dos contos abrigados no livro do saudoso Marvilla.
À semelhança de Drácula de Bram Stoker, o vampiro, em visita à personagem Deborah, estabelece com ela um colóquio pautado pela sedução em diversos graus de explicitude. Esse exercício de intertextualidade refere-se diretamente ao perfil estabelecido pelos ultrarromânticos que apropriaram-se das narrativas orais pertencentes às tradições milenares espalhadas pelas mais diversas culturas do Planeta acerca da entidade, nas quais ela nada tem de apaixonada ou apaixonante, por estar fortemente vinculada ao conceito cristão de Inferno (VAMPIRISMO, 2009).
Observando as tradições transmitidas pela oralidade, poderíamos considerar despropositada a atmosfera lírica que se dá durante a evolução da trama Tal lirismo desconstrói, paulatinamente, uma possível expectativa de terror. Mas o paradoxo nem chega a se constituir se atentarmos para uma característica em particular da referida escola literária, a junção do grotesco com o sublime e, nas palavras de Vítor Manuel e Silva, numa aprofundada análise das raízes da estética literária romântica, o fato de que
[...] A meditação sobre a noite, os sepulcros e a morte insere-se na temática pessimista [...], e traduz a nostalgia do infinito e a funda insatisfação espiritual que já angustiam os pré-românticos e que hão-de revelar-se mais exacerbadamente nos românticos (SILVA, 1976, p. 468).
Deborah, conforme uma das interpretações possíveis, pode não ser vítima, no sentido estrito do termo. A mesma ambiguidade se dá com o vampiro, uma vez que se ele entregue à paixão é conjectura plausível na perspectiva da escola romântica, não menos o é presumir seu discurso encantador estratégia hábil em pormenores concebida visando a saciar-se em dose dupla: carente de sangue, que é criatura hematófaga, assim nos diz a tradição oral; carente de sexo porque ainda mantém consigo a essência humana, não rigorosamente morto nem exatamente vivo.
Um dos motivos que contribuem para a solidez do vampiro e de Deborah enquanto personagens reside no fato de ambos preexistirem ao texto de Marvilla. Se o primeiro é um bem-sucedido exercício intertextual, Deborah pode ser lida como representação arquetípica do mito Perséfone. Portanto, a intertextualidade, compreendida enquanto prática que alia o texto escrito ao texto oral, aliada ao arquétipo, demonstram a preexistência dos personagens do conto. Como nos diz Wolfgang Iser,
[...] o texto ficcional contém muitos fragmentos identificáveis na realidade, que, através da seleção, são retirados tanto do contexto sócio-cultural, quanto da literatura prévia ao texto. Assim retorna ao texto ficcional uma realidade de todo reconhecível, posta entretanto agora sob o signo do fingimento (ISER, 1983, p. 400).
Considerando que na trama existe um jogo de dupla sedução a envolver ambos os personagens de tal modo que o estado emocional deles se altera à medida que o diálogo, afetuoso e em certa medida melodramático, evolui, parece-nos razoável conjeturar tal elemento da narrativa (quem seduz quem) uma referência à passagem do mito de Perséfone na qual, embora sequestrada pelo Hades a fim de tornar-se soberana do seu reino, a personagem mitológica cria certo vínculo afetivo com ele. Alegoricamente, temos que o vampiro “sequestra” a personalidade de Deborah, que se mostra emocionalmente dependente dele e se apaixona por quem, em tese, seria seu algoz.
Referências
BARROS, Maria Teresa Mendonça de. Mitos e arquétipos femininos na comunicação. NPP Núcleo Brasileiro de Pesquisas Psicanalíticas. Disponível em: . Acesso em: 17 julho 2009.
BIAGI, Orivaldo Leme. Drácula, de Bram Stoker – o horror e o romantismo de Francis Ford Coppola. Boca do Inferno. Disponível em: Acesso em : 18 fevereiro 2009.
BLANC, Cláudio. O mito do vampiro. Conhecer Fantástico, São Paulo, 2009. Vampirismo, p. 4-7.
BOECHAT, Walter. Arquétipos e mitos do masculino. In:______. Mitos e arquétipos do homem contemporâneo. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1997. p. 19-40.
ESTUDANDO vampiros. Conhecer Fantástico, São Paulo, 2009. Vampirismo, p. 41-43.
ISER, Wolfang. Os atos de fingir ou o que é fictício. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da literatura em suas fontes. Vol. II. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983, p. 417-441.
MARVILLA, Miguel. O vampiro, Deborah. In:______. Os mortos estão no living. 2. ed. Vitória: Floricultura, 2006. p. 21-26.
SILVA, Victor Manuel de Aguiar e. Rococó, pré-romantismo e romantismo. In: ______. Teoria da literatura. São Paulo: Martins Fontes, 1976. p. 463-488.
SODRÉ, Paulo Roberto. Carta aos mortos. In: MARVILA, Miguel. Os mortos estão no living. 2. Ed. Vitória: Floricultura, 2006. p. 131-138.

Sobre o autor:
Eduardo Selga é graduando em Letras/Português pelas UFES. Nascido no Rio de Janeiro. Seus primeiros contos surgiram na década de 80, em "A Gazetinha", suplemento infantil de "A Gazeta", jornal de maior influência na sociedade capixaba. O conto "O Estranho Homem de Nossa Sinhorinha dos Incréus" foi premiado com medalha de bronze em concurso promovido pela Revista Brasília e editado em coletânea em 1994. Outra coletânea de contos na qual se faz presente é a "Livres Pensadores", lançada em abril de 2004 pela editora Scortecci na XVIII Bienal Internacional do Livro, em São Paulo. Em 2005 lançou seu livro de contos "A Morte de João Mocinha" pela Papel E Virtual Editora. Durante todo o ano de 2006 foi cronista convidaddo do jornal "Opinião", de Serra (ES). O conto "Breve História do Pretérito do Futuro" foi publicado na edição de estréia da revista cultural capixaba Intelecto, em 2002. Também na publicação A’Angaba, cuja proposta é a mesma da revista anterior, possui, desde 2008, textos publicados. Em abril de 2008 conquistou Menção Honrosa no Primeiro Concurso Cantigários de Letras de Música e Textos de MPB (Editora Guemanisse)com o artigo "A Música Incômoda". Em 2009, pela mesma editora, teve seu conto “Contrato de Namoro” publicado em função de menção honrosa em concurso nacional.

6 comentários:

Sibill disse...

análise bem interessante do texot, mas será que vai existir algum escritor em nossa geração que não escreva sobre vampiros tão apaixonados? ... Tá na hora de mudar um pouco a visão das coisas... anti herois apaixonados é muito clichê.... adoro Marvila, mas ainda é clichê!

Jacinta Dantas disse...

Oi Renata,
hoje estou aqui para comemorar com vc. Alegro-me por poder dizer: parabéns mulher. Muito Amor-sucesso-amor-saúde-amor-alegria-amor-------e tudo o mais que vc merece. Feliz aniversário.
Abraços e felicidades

renata disse...

Ciao Mama, que alegria receber sua visita... Bem, a psicologia junguiana diz que repetimos aquilo que nossa consciência ainda não integrou, e com certeza o amor é um desses conteúdos, por isso é o centro das atenções nas canções, filmes,histórias e análises literárias.... eheheheh
Cantemos e analisemos o amor, mama, pois somente assim poderemos "virar o disco"... ehehehehe
Beijos

renata disse...

Valeu Jacinta!!!! Obrigada!!!
é sempre uma alegria receber sua visita!!!
beijos

Andressa disse...

Parabéns para você, nesta data queridaaa...muitas felicidades, muitos anos de vida!
Mais do que ler o post de hoje, passei aqui para desejar toda a felicidade do mundo para você, pessoinha mais que especial e que eu adoro muito!
Muitas alegrias, saúde, felicidades, realizações... tudo de melhor para você, Rê!
Espero que o seu dia tenha sido ótimo!
Que papai do céu lhe abençõe a cada dia e permita que você continue essa pessoa preciosa, mais que um presente para todos nós, seus amigos!
um beijão,
Drê

renata disse...

Ei Dressa, BrigadUUUUUUUUUUUUUUUUU!!!
que Deus lhe ouça! Obrigada pelo carinho, você é uma amiga muito querida!!!!
Beijos