* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

06/04/2012

A (in)segurança pública no Espírito Santo

Olá amigo internauta,
A Rio+20, será realizada de 13 a 22 de junho de 2012, na cidade do Rio de Janeiro. A Rio+20 é assim conhecida porque marca os vinte anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) e deverá contribuir para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas. O objetivo da Conferência é a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, por meio da avaliação do progresso e das lacunas na implementação das decisões adotadas pelas principais cúpulas sobre o assunto e do tratamento de temas novos e emergentes.

Acesse o site da Rio+20 e saiba mais
Segue um textinho que escrevi ao refletir sobre este evento.

A (in)Segurança pública no Espírito Santo


Às portas da Rio+20, Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, nos deparamos com uma triste realidade: muitas das proposições que foram  discutidas em reuniões, fóruns, e que se consolidaram na Rio 92 sob forma da Agenda 21, ainda estão longe de serem alcançadas. A Agenda 21 é um plano de ação acordado por 179 países, um termo de responsabilidade mútua entre governos e cidadãos comprometidos em desenvolver ações direcionadas ao desenvolvimento sustentável de forma solidária e equitativa. A educação ambiental permeia toda a Agenda 21 nas linhas e entrelinhas dos quarenta princípios que a norteiam, dentre os quais, destaco o de número 25 que preconiza “a Paz” e o cuidado para com o meio ambiente como fatores indispensáveis para o desenvolvimento sustentável. Estes princípios encontram correspondência na “Declaração do Milênio”, outro documento histórico produzido pela ONU que possui metas que devem ser cumpridas até 2015, tais como, a promoção da igualdade e a erradicação da pobreza e da fome, a garantia da sustentabilidade ambiental, entre outras.

Certamente, novos documentos serão produzidos na Rio+20 e novos compromissos assumidos, tão elaborados quanto os que fazem parte da Agenda 21, mas, é necessário que nos perguntemos: o que falta para o discurso se transforme em prática e ganhem o cotidiano?  
 
Desde 2008 atuo como educadora Socioambiental no Mosteiro Zen Morro da Vargem, em Ibiraçu (ES), e tenho visto a extemporaneidade dos trabalhos ali realizados e a implicação dessa Instituição para com o Desenvolvimento Sustentável. O ditado popular diz que “santo de casa não faz milagres”, porém, me conforta o fato de vivermos momentos de questionamento das verdades, de rupturas epistemológicas, e da emergência um novo paradigma que propõe a superação das dicotomias e a busca de um novo caminho e de uma nova visão de mundo. Acredito que santo de casa faz milagres sim! Desde 2006 o Mosteiro Zen Budista desenvolve variados programas sociomabientais, dentre ele destacamos o “Programa Compaz: A ética policial e a vivência socioambiental”. Este trabalho, especialmente construído para atender a policia militar do Espírito Santo, é um treinamento de cunho humanístico e de complementação ao extenso curso de formação da Policia que foca o treinamento militar e estratégico, pelo qual passam os futuros policiais.
 
É de conhecimento geral que, no exercício da profissão, os policiais precisam realizar intervenções repentinas e de grande risco tanto para sua vida, quanto para a de outras pessoas, o que torna imprescindível que estes tenham equilíbrio emocional e conhecimentos técnicos específicos, além aptidão para dialogar e interagir com cidadãos de diferentes idades, etnias, credos e classes sociais.  Também é necessário que o profissional de segurança esteja aberto e sensibilizado para encarar suas limitações e maus estares, ou seja, é fundamental o cuidado para com a saúde mental.
 
O Caderno Informativo de Prevenção de Acidentes/ CIPA, de 2009, informa que as doenças mentais respondem por cinco entre dez das causas de afastamento do trabalho no país, geralmente elas começam com um quadro de estresse e, com o tempo, passam a ter sintomas mais graves que repercutem na forma como o trabalhador se relaciona com as pessoas e passam a configurar um quadro depressivo. O CIPA ainda destaca que a saúde mental dos policiais militares é tão importante para seu sucesso profissional e sobrevivência, quanto os seus conhecimentos técnicos. Infelizmente, assistimos estupefatos a casos como o do policial que matou a própria mãe e se suicidou, de outro que agrediu a esposa por que esta perguntou as horas a um estranho, e de outros que perderam os parâmetros da decência e do compromisso e fizeram alianças com bandidos.
 
Mas há, também, vozes silenciosas que necessitam serem auscultadas, de policiais que morrem defendendo a vida de outro cidadão, que trazem crianças ao mundo realizando partos emergenciais, de outros que sofrem calados porque ainda não possuem um espaço seguro para expressar suas angústias.  O Programa Compaz, de cunho eminentemente transdidiciplinar, assumiu o desafio de trabalhar, junto aos policiais militares, temáticas como a importância do papel de cada um na dinâmica social e no ambiente em que está inserido, ser um espaço de fala, de escuta e de exercício do diálogo, levando os grupos a refletirem sobre a forma de conceber o meio ambiente, sobre ética, buscando sempre nortear os trabalhos pelos princípios que regem a Declaração Universal dos Direitos Humanos.
 
 As atividades do Compaz buscam levar os grupos de policiais ao questionamento de suas práticas e ao autoconhecimento, com vistas a que desenvolvam e ampliem a capacidade de dialogar com a população, de resiliência e solidariedade, para que sejam cada vez mais assertivos nas suas ações, tendo em vista o exercício da atenção plena.
 
O Mosteiro Zen Budista é uma instituição religiosa, porém, o Compaz não é um treinamento religioso, embora preconize o “religare” entre o ser e a natureza, ele possui cunho ecumênico.
 
O MZMV é, também, um relevante pólo de educação ambiental que compreende cerca de 150 hectares de mata atlântica recuperada. Ele foi reconhecido pela UNESCO como um “Posto avançado da Reserva da Biosfera”, e pelo Ministério do meio Ambiente como uma das cem experiências brasileiras de sucesso em Sustentabilidade no Brasil, em 2002, o Mosteiro Zen ganhou, da UNESCO, o Prêmio Miriqui, maior reconhecimento na área de preservação ambiental e sustentabilidade.
 
Mediante tais fatos, voltam as indagações: sendo reconhecida a necessidade de uma formação humanista dos policiais que integram a força de segurança do Estado do Espírito Santo, e reconhecido o potencial de um curso como o COMPAZ, totalmente em consonância com as proposições da Agenda 21 e, construído especificamente para este grupo, levando em conta as suas necessidades e especificidades, porque há um bom tempo este não acontece? Talvez, porque fatores como a intolerância, especialmente religiosa (não por parte do Mosteiro), impeçam os diálogos e as parcerias, quem sabe, também, a falta de vontade política, ou simplesmente uma “capixabice”, essa mania de acreditar serem melhores os cursos oferecidos “fora” do Estado.
 
Enfim, eu tenho fé! Eu acredito que podemos mudar este cenário e espero que o COMPAZ aconteça com urgência, e que os nossos policiais possam se nutrir da milenar sabedoria Zen, que preconiza o equilíbrio, o respeito para com os seres e a cultura de paz, apontando que o caminho se faz ao caminhar...

 
Renata Bomfim
Educadora socioambiental do
Mosteiro Zen Budista Morro da Vargem

 

 

 

 

 

 

Nenhum comentário: