* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

19/08/2012

Zezinho


Zezinho
 
E agora, Zezinho?
Azedou o patê,
A areia acabou,
O rato sumiu,
O pelo eriçou,
E agora, Zezinho?
Você que era da rua,
zombava dos cachorros,
Apreciava a lua
caçava passarinhos.
E agora, Zezinho?

Está de coleira
só come ração
já não bebe orvalho
já não pode vagar
fazer amor no telhado
já não pode.

E agora, Zezinho?
Está sem gatinhas
Vai para o pet shop
Tomar banho
 Fazer tosa
Virar"gut gut",
Ficar "fofinho"
Para ganhar o carinho
Dos humanos.

E agora, Zé?
O seu miado feroz
De gato selvagem
O instante da caça
O salto preciso
O prazer da lambida
O sono de paz.

Com as unhas cortadas
Quer rasgar a cortina
Mas não existe cortina
Quer morrer no mar,
Mas o mar não está para peixe
Quer ir para a gatolândia
Mas gatolândia não há.

Zezinho, e agora?
E se você miasse alto
Arranhasse todo mundo
Vomitasse uma bola pelo?
Você é um gato durão, Zezinho!

Da janela
Qual pinto molhado
Sem mitologia egipcia
Sem sofá novo
Para arranhar
Com  bigodes de barão
Você sonha, Zezinho!
Zezinho, com o que?

Este poeminha é paródia do poema José, uma das mais importantes obras da literatura brasileira, de autoria de Carlos Drummond Andrade. é uma homenagem ao felino Zezinho, que gostava de dar umas voltas pela rua, mas, sob ameaça de envenenamento, fica recluso no apartamento. Essa é pra você Zé!

4 comentários:

Thuan Carvalho disse...

em ser gato denovo, talvez.

Renata Bomfim disse...

Bem que pode ser, Thauan...
Obrigada por sua visita ao Letra e Fel!
Abraços fraternos
Renata

José Carlos Camapum Barroso disse...

Delícia de poema, Renata. Bela sacada. Lá em casa, nós temos um gato, de nome Fred, que é a cara desse poema. Parabéns!

Renata Bomfim disse...

Valeu Zeca,
esse bicho, o gato, é um vício... sou suspeita em falar pois amo demais os felinos e vou rasgar mil sedas... tenho sete gatos, não tenho mais por falta de espaço... eheheheh
abraços, parabens pelo Fred!
abraçoamigo
renata