* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

22/12/2012

Escritos de Vitória nº 28: Vitória 461 anos: A Tupiniquim que me habita


Olá amigos internautas,
Faculdade Técnica de Teatro, Dança e Música Fafi, em Vitória, reuniu os artistas capixabas para celebrar o fim das atividades de 2012 e homenagear a nossa querida Ilha de Vitória. Houve lançamento de livros, apresentações de teatro, dança e música pelos alunos da FAFI. Entre os livros lançados nessa noite está o de nº 28 da coleção EScritos de Vitória, cujo tema deste ano foi "Vitória: 461 anos". Participaram desta coletânea 33 escritores, entre eles esta amiga de vocês (yo), com o poema intitulado "A Tupiniquim que me habita", que reproduzo na íntegra para vocês:
 

A Tupiniquim que me habita
 
À memória dos índios que habitaram a ilha de Vitória antes da colonização portuguesa, e para aqueles que, ainda hoje, resistem à opressão e lutam pela cidadania.

 Há dentro de mim uma noite arcaica,
Cujas trevas quase podem ser apalpadas.
Há também uma floresta densa,
Onde as árvores fazem colóquios.
Dessa escuridão ouço ecos de vozes, sussurros.
O meu corpo estremece com a batida de um tambor,
Não posso ignorar essa cadência que faz de mim quem sou.

O sangue espiritual de um povo carrega
O registro da história de sua resistência.
Vi se chocarem dois mundos.
Vi colidirem crenças e tradições.
Vi a terra banhada em sangue.
Vi cortejo de ladrões levarem para longe,
Além do ouro e da madeira, a fé, a esperança e a alegria...
Todos esses registros estão dentro de mim.

 Habita o meu abissal uma índiaTupiniquim
Com cabelos serpentinos e olhar de âmbar.
Suas mãos sabem fazer unguentos,
Curam mágoas seculares, ressentimentos,
À noite, devolvem a coragem ao guerreiro.
Quando eu cuido de um pássaro que caiu do ninho,
Ou defendo um animal como se meu filho fosse,
Não sou eu, é ela, a índia de canto doce...

Todo capixaba traz um índio dentro de si,
Que lhe impele a resistir à opressão.
Esse ente faz com que sejamos singulares, especiais...
Precisamos aceitar essa marca de Caim
(passaporte dos livres...)
Ser capixaba é ser herdeiro desse povo combatente
É ser presença, é ser presente, é ser porvir...

 renatabomfim
 

Nenhum comentário: