* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

28/11/2013

Já está nas livrarias de Portugal o livro CHARNECA EM FLOR da obra completa de Florbela Espanca, com ensaios críticos de Renata Bomfim e Nuno Júdice e apresentação de Maria Lúcia Dal Farra

comprar o livro

Olá amigos,

Já está a venda o livro Charneca em flor da mais recente publicação da obra completa de Florbela Espanca. A organização ficou por conta de Cláudia Pazos Alonso e Fabio Mario da Silva. O livro traz dois ensaios críticos, um desta amiga de vocês, Renata Bomfim, e outro do poeta e crítico português Nuno Júdice


Esta obra obedece a vontade de Florbela quanto à sua publicação, desejo que até então nunca tinha sido atendido. A apresentação do livro, transcrito logo abaixo, ficou por conta da crítica literária Maria Lúcia Dal Farra, uma referencia mundial nos estudos florbelianos. 


No imaginário feminino português, Charneca em Flor celebra um ultrapassamento literário: a ruptura com o estereótipo de mulher imposto pelo patriarcado. A partir daqui, a dor e as Saudades (dotes de mulher) são já um fantasma que ela vê passar pelas vielas de Évora, na figura evanescente da Menina e Moça que fora. Revisitando agora a sua origem alentejana, a nossa investida Sóror Alcoforado (antiga Dama de Bernardim e mística Dona de Garcia de Resende) despe a mortalha e abandona a clausura para, em comunhão telúrica, abrir-se em flor - impulso que, desejo erótico, é também pulsão de morte. Todavia, dentro desse paradoxo, Florbela se experimenta (em voo livre do regional para o nacional) avatar feminino de Camões. E deste modo mergulha em definitivo na fonte mesma do soneto - forma fixa que passara a vida a ajustar a fim de torná-la mais condizente ao seu género. Afinal, no seu espartilho poético, o soneto não lembra a cela, da qual toda a mulher se quer evadir?! 

3 comentários:

Anônimo disse...

Rê, minha cara,
mais uma vez, meus parabéns por mais este trabalho. Sei o quanto nos dedicamos a estas mulheres, objetos de nossos estudos, e o quanto é maravilhoso ter o reconhecimento disso. Esse livro é a prova de que você É MUITO BOA NO QUE FAZ!!!!!
Beijos sinceros da amiga,
K.

Anaximandro Amorim disse...

Você está muito chique! Só "florbeliando"! Um beijão, Anax.

José Carlos Camapum Barroso disse...

Parabéns, amiga. Fico orgulhoso da sua participação nesse lançamento. Vou aguardar a oportunidade de comprar essa obra. Grande abraço.