* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

12/05/2014

Elmo Elton, o Poeta da Cidade (Francisco Aurelio Ribeiro)


Elmo Elton
 Toda cidade possui um ou mais poetas que a imortalizam. O poeta da cidade de Vitória é Elmo Elton (1925-1988), escritor escolhido para ser homenageado na I Feira Literária Capixaba, a ocorrer de 15 a 18 de maio, na Praça do Papa. Vitória já tivera outros poetas que a cantaram em prosa e verso, como Areobaldo Léllis, que lhe deu o epíteto de “cidade presépio” e Haydée Nicolussi que a chamou de “cidade teteia e cidade liliputiana”, na década de 1920. No entanto, foi Elmo Elton que, desde a juventude, mais versos fez sobre a sua cidade natal e seus personagens populares que conhecia como ninguém. Desde a sua primeira publicação, “Cantares de um terno filho do mar”, em 1944, às que se seguiram, “Uma história praieira”, 1945, “Marulhos”, 1946, e “Poemas que a onda levou”, 1947, pode-se observar a fixação dele pelos temas marinhos. Nascido em Vitória, cidade portuária, e com o mar como cenário principal de seus moradores e visitantes, Elmo Elton captou, com sensibilidade poética, a alma dessa cidade ligada ao mar por destino atávico.
 
Como era comum aos artistas e escritores capixabas até há pouco tempo, não havia maiores perspectivas de realização profissional em nosso estado, marcado pela indigência cultural. A única saída era pegar um barco a vapor, no porto, ou embarcar num trem da Leopoldina, para desembarcar vinte e quatro horas depois, ou mais, na capital do Brasil, a cidade maravilhosa do Rio de Janeiro daqueles tempos, sem esquadrão do BOPE, linhas vermelhas ou amarelas para atravessar com suas balas perdidas em troca de tiros entre traficantes e policiais. Foi o que fez Elmo Elton, em 1949, seguindo o mesmo caminho de Afonso Claudio, de Madeira de Freitas, o primeiro escritor capixaba a ser consagrado nacionalmente com o pseudônimo de Mendes Fradique, Haydée Nicolussi e Lydia Besouchet, os irmãos Newton e Rubem Braga, Geir Campos e tantos outros.

   No Rio, Elmo Elton obteve emprego na LBA- Legião Brasileira de Assistência- criada no período Vargas e pôde realizar seus sonhos de pesquisador, de colecionador de obras de arte, tendo cursado Jornalismo, curso inexistente no Espírito Santo, em sua época. Tornou-se poeta parnasiano, talvez influenciado pelas pesquisas sobre os amigos Olavo Bilac e Alberto de Oliveira, uma de suas obsessões. Publicou “O noivado de Bilac”, em 1954 e “Heráldicos”, sonetos, em 1952 e 1968, obras que o imortalizaram na comunidade acadêmica. Na década de 1970, já fragilizado pela artrite, aposenta-se e volta para sua terra natal. Aqui publicou dois livros de versos, em 1976, “Poemas” e “Cantigas”, recuperando o papel de trovador da cidade de Vitória, lugar que ninguém tinha ocupado. E, como presente a todos os capixabas, trabalhou intensamente na sua última década de vida, deixando publicada a antologia sobre “Poetas do Espírito Santo”, e os livros “Velhos templos de Vitória”, “Logradouros antigos de Vitória” e “Tipos populares de Vitória”, obras indispensáveis a todos que amam a nossa capital e seu passado, e precisam ser reeditadas. Como último presente aos capixabas, em 1984, publicou “Anchieta”, 25 sonetos sobre o beato, agora, santo Anchieta, e suas vivências no Espírito Santo, além dos cordéis “ABC de Vitória” e “O Convento da Penha”. Além dessas obras preciosas, Elmo Elton legou à sua cidade natal um precioso acervo museológico, até hoje não disponível à visitação pela PMV, uma preciosa coleção de originais autografados doados ao IHGES e à AEL e alguns livros inéditos. Está passando a hora de a cidade homenagear seu poeta-maior, não?

Francisco Aurelio Ribeiro
Crítico literário e Presidente da Academia Espírito-Santense de Letras e do IHGES

Nenhum comentário: