* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

04/01/2016

A noiva de Nicanor Parra (poema Renata Bomfim)


Dedicado ao grande antipoeta chileno

Olha-me com ternura.
É tempo de estiagem,
De secura e de dor.
Já não posso sonhar,
Já não posso cantar,
As histórias perdem o sentido,
Meu coração está ressequido,
Olha-me com ternura.

Minhas mãos tocaram
(em sonho), as cordilheiras,
como se elas fossem um brinquedo divino,
e eu, uma menina de sorrisos e tranças...
 − Nunca poderão reproduzir Tamanha beleza! 
− Jamais alcançarão os mistérios das pedras.

Escutei as rochas solitárias,
Conheço a linhagem dessas pedras milenares.
Escalei as paredes mais elevadas, em busca
de mim mesma.
As mãos revelam essa intimidade granítica.

Olha-me com ternura.
Escuta a voz que vem das grutas,
Ecos de nossa humanidade perdida.
Lamento pela morte dos deuses,
Clamor que faz tremer a terra.
Rega com amor a matriz do poema,
Recria a mitologia (ao avesso),
Reproduz uma canção inédita,
Somente tu, poeta, pode fazê-lo.

Olha-me com ternura.
Eu, a mais infértil das mulheres,
Em busca de redenção, de afeto,
Ansiando renascimento.
Desposa essa criatura capaz de gerar,
apenas, utopias e alvoradas. 


*
Renata Bomfim.
Vitória, ES/ Brasil. 
Jan. 2015

*Poema foi traduzido para o castelhano por Pedro Sevylla de Juana e publicado na Revista Centro americana DECENIO. 

Nenhum comentário: