* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

19/08/2016

Escrita de autoria feminina: Guilly Furtado Bandeira, primeira capixaba a publicar um livro (Contos/1913) será tema no Seminário do Autor Capixaba 2016

O BRAVOS COMPANHEIROS VII/ 2016 ACONTECERÁ NOS DIAS 
22 E 26 DE AGOSTO DE 2016

Esmaltes e Camafeus: o imaginário feminino nos contos de Guilly Furtado Bandeira

Prof.ª Dr.ª  Renata Bomfim- UFES


Resumo:
Guilly Furtado Bandeira (1890- 1980) nasceu em Vitória (ES). Filha de militar mudou-se com a família para o Pará, onde se tornou uma das primeiras brasileiras a ingressar em uma Academia de Letras, 1913. A maior parte da produção dessa escritora pode ser encontrada na Revista Vida Capixaba, onde escreveu entre os anos de 1925 e 1954. Em 1914, casada e morando no Rio de Janeiro, Guilly Furtado publicou Esmaltes e camafeus. Esse livro de contos ganhou uma edição fac-similar em 2011, publicada pela Academia Espírito-Santense de Letras. Nessa obra, uma galeria de representações femininas se articulam entre si, permitindo que se entrevejam concepções de mulheres avessas à integração social, como as personagens Rosilda, “uma d’essas criaturas que deslizam pela vida”; Soror Martha, “plantinha enterrada numa estufa escura onde a luz não penetra e definha pouco a pouco” e Haïna, a infeliz costureirinha que “dos braços do homem amado” caiu “nos braços de todos”. Essa comunicação propõe um olhar para o imaginário literário feminino apresentado nessa obra pouco conhecida do público, à luz da teoria e crítica da literatura comparada, tendo como aportes, também, contribuições do pensamento de Michel Foucault, Gayatri Chakravorty Spivak e Jacques Rancière.

Palavras-chave: Contos, literatura de autoria feminina, literatura produzida no Espírito Santo.


Nenhum comentário: