* Hello, my friends! welcome to letra e fel! If you like this space, please share it with your friends.
* Dzień dobry, drogi czytelniku, witaj w blogu Letra e Fel! Dziękujemy za wizytę. Jeśli nasz blog ci sie spodobał, poleć go swoim znajomym.
*!Hola! , amigo lector. Sea bienvenido y si le gustó mi blog, recoméndelo a sus amigos!
*Cher lecteur, soyez le bienvenu! Veuillez conseiller notre blog à vos amis si vous l'avez aimé. Merci beaucoup!

16/03/2017

[Revista Todas as Musas] Colóquio das Árvores: a natureza pulsante de Renata Bomfim (Lina Arao)


O texto “Colóquio das Árvores: a natureza pulsante de Renata Bomfim”, foi escrito por Lina Arao, Pós-Doutoranda em Ciência da Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Essa resenha crítica sobre o meu livro mais recente foi publicada na conceituada revista Todas as Musas, ano 8, volume 2, dedicada à literatura de autores de Angola, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

"No esclarecedor prefácio ao livro escrito pela professora Ana Luísa Vilela, destacase, acerca do instigador poema “Identidade X”, a “autenticidade feminina”, plural e contraditória, sendo, por isso, não-rotulável e flexível. Tais características são adequadas também para outros poemas de Bomfim, sobretudo aqueles que se relacionam com a construção de uma identidade poética feminina. 

É notável, nesse contexto, o duplo movimento empreendido pela escritora, que, por um lado, aproxima-se de uma espécie de “tradição” ou “herança” literária de autoria feminina, ensejando a recuperação de algumas imagens recorrentes, como a identificação do sujeito poético feminino com a imagem do pássaro; por outro lado, essa associação, nos poemas de Bomfim, transforma-se para alcançar o empoderamento, a autoafirmação de uma subjetividade feminina. 

Se muitas poetisas oitocentistas valeram-se da figura da ave para de alguma maneira simbolizar os ímpetos de liberdade ao mesmo tempo em que enfatizavam a condição de vulnerabilidade feminina característica do período, em “O canto da harpia”, por exemplo, Bonfim relata a transformação do eu lírico em harpia, de “indecentes e fortes plumas” e de “imensas asas”, cujo voo abarcador não revela fragilidade, mas a crença em sua capacidade de transpor limites e abarcar o “universo selvagemente novo”.  



Nenhum comentário: